Ayra Consultoria

capacidade produtiva

Sobrecarregado? Desfadigado? Saiba mais sobre sua Capacidade Produtiva e como evitar esses problemas

Primeiramente, devemos entender quais são os sinais de uma Capacidade Produtiva mal alocada.

Muitas empresas acreditam que analisar a Capacidade Produtiva deve ser uma atividade feita apenas quando temos pessoas realizando atividades em excesso, gerando diversas formas de insatisfação que acarretam uma piora do clima organizacional ou até mesmo na queda da produção.

Por outro lado, a capacidade produtiva também deve ser levada em consideração quando temos excesso de funcionários em relação às atividades exercidas na empresa. Nesse sentido, quando temos o contrário de uma pessoa sobrecarregada (podemos nomear desfadigada) necessitamos entender melhor a capacidade produtiva. O aumento do ócio é tão ruim quanto o excesso de trabalho uma vez que pode estar afetando no lucro da empresa e na diminuição da produtividade dos trabalhadores.

Nesse texto você vai aprender, em duas fases, como podemos diagnosticar uma empresa ou pessoa que está sobrecarregada ou desfadigada. Por fim, você terá contato em diversas maneiras de solucionar esses problemas de capacidade de produtiva.

Sobrecarga e Desfadiga: Como Identificar?

Diversas organizações consideram “comum” que seus membros se sintam sobrecarregados. No mesmo sentido, diversos trabalhadores submetem-se à extrapolação de sua capacidade produtiva em troca de aumentos salarias, trocar de cargos e outros incentivos materiais.

Contudo, os efeitos da sobrecarga estão diretamente ligados à problemas físicos e mentais, que podem acabar afetando a produtividade. Sendo assim, é possível perceber que há uma grande contradição nessas empresas: colocar meu funcionário para produzir mais até ele ter alguma contrariedade e começar a produzir menos.

Nervosismo

O primeiro fator que muitas pessoas sobrecarregas sentem é o nervosismo atrelado à explosividade. A pressão dos superiores, ou até mesmo a própria, para que sejam mais produtivos costumam gerar ansiedade. Seguindo a mesma lógica, podemos perceber que a ansiedade pode intensificar sentimentos, principalmente relacionados à raiva, quando a capacidade produtiva ultrapassa a maximização.

Isolamento

Outro importante fator que podemos perceber frente à equação das pessoas sobrecarregadas é o isolamento. Família, amigos e relacionamentos são colocados de lado por trabalhadores e empresários que destinam todos seus esforços para o campo profissional. Consequentemente, a solidão tende a afetar o quociente emocional, que está diretamente ligada ao bem estar da pessoa, inclusive o bem estar para trabalhar.

Cansaço

Por fim, podemos citar o cansaço como uma consequência de uma capacidade produtiva extrapolada. Uma pessoa sobrecarregada, na maioria das vezes, aparenta estar cansada através do humor e de sinais físicos. Seja um trabalho físico ou mental, o corpo e a mente precisam de um descanso para que possam funcionar bem.

Ao contrário da sobrecarga, temos a capacidade produtiva mal alocada, mais precisamente quando temos pouco trabalho para o número de funcionários em questão. Além de afetar o lucro da empresa através do excesso de salário a serem pagos, é possível que um clima organizacional ruim possa surgir.

Há diversos sinais para analisarmos a desfadiga, mas o principal meio para isso é a observação do ambiente de trabalho. Normalmente, nesses casos, podemos analisar pessoas conversando, mexendo no celular ou até mesmo dormindo.

No mesmo sentido, quando essas atividades começam a surgir, podemos gerar grupos informais que gerem intrigas, tempo para fofocas, insatisfação dos que estão fazendo e outros tipos de reclamação.

Sabendo disso tudo, como podemos nos prevenir ou remediar dessas adversidades organizacionais?

Objetivos Estratégicos e OKR’s

Em ambientes onde trabalhadores fazem muitas atividades, extrapolam a capacidade produtiva e ainda sim não sentem que estão se desenvolvendo ou melhorando a empresa, é necessário um guia estratégico. Por outro lado, essa mesma solução pode atacar empresas onde os funcionários não realizam muitas atividades e não buscam alcançar melhores resultados.

A criação de objetivos estratégicos é feita para que uma empresa possa reunir esforços para atingir diversas frentes, no longo prazo, de maneira conjunta. Sabendo disso, quando realizamos esse tipo de criação, devemos formar atividades mensuráveis de curto prazo, os OKR’s.

Com os OKR’s alinhados aos objetivos estratégicos, podemos dar sentido à maioria das atuações que determinada pessoa realiza. Sendo assim, as atividades tendem à ser reduzidas e mais objetivas, aumentando sua efetividade. Por fim, a capacidade produtiva tende a ser regularizada e bem distribuída.

Mapear e Melhorar Processos

Um ótimo ponto para avaliar a capacidade produtiva para determinada atividade é mapear. Quando realizamos o mapeamento de um processo, descobrimos quantas atividades menores são realizadas e quanto tempo elas demoram para serem concluídas. Além disso, podemos identificar o melhor perfil para fazer tal ação.

Sabendo dessas informações, podemos calcular quantos dias, horas ou minutos um processo necessita para entregar seu resultado final. Com esses dados, basta alocar a mão de obra ideal para a realização do processo. Contudo, em casos que o mapeamento já foi realizado e parece não existir alternativas, indicamos uma melhoria ou automação dentro dos processos.

Definir um modelo padrão de atividades sequenciais, utilizar ferramentas facilitadoras e aplicar metodologias relacionadas à qualidade são ótimas saídas para enxugar a mão de obra necessária. Portanto, com a aplicação de mudanças positivas, podemos obter uma capacidade produtiva ideal para uma cadeia de processos.

Jornada de Trabalho Flexível

Horas de trânsito. Movimentos pendulares. Transporte Público. Existem diversos fatores externos que podem intensificar o sentimento de sobrecarga nos funcionários.

Acompanhando esse raciocínio, diversas empresas têm testado jornadas menores de trabalho: quatro dias na semana, home office ou menos tempo nas jornadas são saídas para aliviar a capacidade produtiva dos trabalhadores. Dessa forma, se a empresa construir um planejamento de suas atividades e mapear o nível de dificuldade, ficará mais fácil de tomar ações como as ditas acima a fim de proporcionar uma melhor alocação da capacidade produtiva.

Investimento no Membro

Sabemos que a capacidade produtiva, quando mal alocada, gera insatisfação e diminui a produtividade. Olhando por esse lado, um caminho interessante é proporcionar cursos, workshops e materiais para que os membros voltem a se engajar na empresa.

Inicialmente, o gestor da equipe pode mapear as preferências de seus colaboradores ao mesmo tempo que mapeia quais são as atividades com maior nível de dificuldade.

Como resultado, há grandes chances de aumentar o interesse do trabalhador em realizar atividades com novos conhecimentos além de facilitar os processos através de treinamentos específicos. Dessa forma, podemos ter uma capacidade produtiva alinhada com a demanda de todas atividades da organização.

Conclusão

Essas foram algumas dicas para ajudar você a alocar melhor a capacidade produtiva da sua empresa visando obter um lucro maior e um melhor clima organizacional, além de garantir a saúde de seus funcionários. Continue acompanhando as nossas redes sociais para aprender mais sobre como mapear processos, escolher os melhores treinamentos, traçar perfis para seus trabalhadores e muito mais! Entre em contato com a gente, agende um diagnóstico gratuito e veja a melhor solução personalizada para o seu negócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *